quinta-feira, 15 de março de 2012

Partilhando experiências e ...entusiasmo

"É preciso acreditar em si mesmo, acreditar que com o auxílio divino é possível transformar a realidade. Deixe de lado o negativismo. Deixe de lado o ceticismo  . Abandone a descrença  e seja um entusiasmado com sua vida".
 


Desde o meu primeiro contato com minha turma de Crisma, percebi tratar de pré adolescentes dinãmicos e vivazes
Diferentemente de outras turmas com as quais já trabalhei, estes mostram-se bem participativos e questionadores. Não se intimidam em participar dialogando, interrogando , dando suas opiníões e até contestando certos fatos.
Com certeza, trabalhar com turmas assim, exige um pouco mais do catequista que tem que estar sempre atento e muito bem informado.
Mas, por outro lado isto é positivo. Vem bem ao encontro da proposta da catequese, favorecendo a interatividade e permitindo uma maior facilidade em trazer a Palavra de Deus à vivência do catequizando.
Juntos podemos desenvolver instrumentos onde possamos aprender uns com os outros, onde o catequista apenas conduz o aprendizado. Fica mais fácil sentir a relação entre a realidade e as perspectivas do evangelho.
E assim transcorreu o encontro de ontem, cujo tema era”Dignidade Humana e cidadania”. Muitas perguntas, opiniões diversas, questionamentos, assuntos co relacionados.
Proclamado o texto biblico : “Deus nos coroou de honra e glória. Deu-nos poder sobre as obras de vossas mãos e todo o universo”. Salmo 8: 6e7, a conclusão partiu de uma catequizanda: “Deus nos muitos dons e temos que colocá-los em prática”.
Já havíamos lido e interpretado o conto “ A águia e a galinha”, portanto, os dons referidos eram a capacidade de amar, inteligência, busca por melhores condições de vida, superar dificuldades, etc..
Não podemos ficar acomodados no conforto de nossos quintais. É preciso que alcemos vôo como a águia do conto. Ir em busca de novos horizontes. No mundo de hoje não podemos nos conformar com a simples condição de “galinhas”
E durante a conversa, foram descobrindo entre elas mesmas, pequenas águias já alçando pequenos vôos. Uma delas faz parte do ministério de música, participando da celebração com seu violão. Outras duas são coroinhas, portanto segundo elas sairam da passividade para a participação ativa.
Outras duas nunca participaram da catequese e somente este ano resolveram sair do conforto de seus quintais para conhecer um pouco mais sobre Jesus e seu projeto.
Trazendo para a realidade da comunidade, foi lembrado que o pai da catequizanda que nos recebia também é uma aguia ávida por alturas. Vereador, possui um horário na rádio comunitária local onde denuncia abusos administrativos prestando grande apoio à população de forma geral.
A dona da casa também participou ativamente do encontro e no final lembrou também das “águias catequistas”. Afinal, somos ou não somos àguias, ávidas por levantar vòo e colocar em prática o projeto do Reino de Deus?
Todos nós temos um pouco de águia e um pouco de galinha. Basta descobrir dentro de nós o momento certo de nos manifestarmos de acordo com os fatos e acontecimentos. O que não podemos é ficar eternamente acomodados e temerosos de alcançar as alturas.
O encontro estava tão entusiástico que acabamos saindo um pouco fora do horário. E quando o sr. Antônio, dono da casa, apareceu com um copinho de sorvete para cada uma...ah, a reunião foi-se estendendo. Incomodados que estávamos com aquele calorão, o sorvete só veio acrescentar... Ninguem manifestava o desejo de ir embora.
Eu, particularmente defino o encontro como muito produtivo. E como entusiasmo gera entusiasmo espero que também se entusiasmem comigo …

Leia na postagem  abaixo o conto que motivou esse encontro e reflita sobre a importância das condições águia ou galinha.





Um comentário: