sexta-feira, 29 de junho de 2012

Tempo que foge



 Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui  para a frente do que já vivi até agora.
Tenho muito mais passado do que futuro.
Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de jabuticabas.
As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam  poucas, rói o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem  fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.
Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral.
As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos’.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa…
Sem muitas jabuticabas  na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana;
que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados e deseja tão somente andar ao lado de Deus.
Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo.
O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial.


Recebi este texto por email. Não continha o autor. Curiosa fui pesquisar na internet e descobri ser de autoria de Ricardo Gondim, pastor evangèlico. Há controvérsias quanto à autoria do mesmo, mas o próprio Ricardo Gondim, em seu site, garante que é de sua autoria.

Divagando ....

A vida é muito curta para perder tempo com coisas vãs.

O tempo nos traz essa sabedoria. O saber ser feliz na simplicidade. Sem pressa. Sem devaneios.
É aproveitar o tempo com qualidade ao lado de pessoas que realmente valham a pena. Que nos façam sertir especiais e que também consideremos especiais.
Trazer para perto de nós aqueles que dão bons frutos. Também nos esforçar para sermos pessoas que acrescentem algo na vida do outro.
E não deixar de apostar sempre  em nós mesmos e no mundo


Deixe você também seu parecer sobre esse lindo texto.

4 comentários:

  1. Bela crônica!
    A partir de certa idade já não temos tempo para perdermos tempo com besteiras. Agora é buscarmos viver da melhor maneira possível na presença do Senhor buscando a Sua bondade.
    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tunim, algumas pessoas dizem que depois de certa idade desligamos uma tal chavinha e nos fechamos para coisas sem importância . É isso aí, é hora de desligar a tal chavinha e...ser feliz ao lado daqueles que nos importam, fugindo de situações que só nos aborrecerá.

      Excluir
  2. Adorei o texto, Edite. Também estou mais para lá do que para cá.

    E, contabilizando o tempo vivido, sei que fui muito feliz que triste, então, resta-me ser inteligente e fazer dos anos vindouros, anos mais felizes ainda, pois a experiência e maturidade têm que servir para alguma coisa, né? Temos que aprender a buscar coisas que realmente importam, que realmente tenham valor...

    E, também, devemos ser às pessoas o que esperamos que elas sejam para nós.

    Beijos minha amiga e uma excelente semana. A minha começa com um novo emprego. Espero que dê tudo certo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sucesso prá vc no seu novo emprego, amoiga. Com certeza vc vai tirar de letra. Confie!

      Excluir