sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Exercitar a paciência

 É muito comum em momentos de raiva.,levados pela impulsividade dizermos inadvertidamente palavras que ferem as pessoas.
Quanto mais jovens somos parece que esses ímpetos de raiva surgem mais frequentemente.
O exercício da paciência , auto controle, compreensão deveria ser exercitado sempre até que cheguemos aum limite máximo de tolerância e gentileza no trato com as pessoas.
O nosso coração é como uma folha nova de papel intocada. Depois que a amassamos,jamais ela voltará a ser aquela folha inócua e sem rugas. A impressão que deixamos no coração das pessoas com palavras mal faladas ou gestos inadequados será tão difícil de apagar quanto às dobras do papel.
Exercite sua paciência, evite ficar possesso ou acalme-se no momento em que o outro está possesso.
O silêncio será de ouro. Fique calado em vez de revidar com outras imprecações. Melhor olhar a questão por outro ângulo e deixar o possível entendimento para o momento em que a “poeira baixar”.
Preserve-se. Procure ter dentro de si apenas a energia do Bem. Não alimente sua raiva , muito menos a raiva do outro.
Até parece que sou a mãe da paciência! Total auto controle! Nem pense isso caro leitor.O exercício da paciência é uma das práticas mais difíceis.Mas eu confesso que tenho tentado. Falar é fácil. Colocar em prática é um grande desafio.
Imagine aquela pessoa que está sempre pronta a te criticar, a não aceitar nada que você faz em prol dela, que por mais dedicada que você seja, sempre encontra algum defeito no que foi feito com tanta boa vontade. Imagine aquela pessoa que é uma pedra no seu sapato. Te deixa sempre de sobreaviso. Está sempre pronta a criticar.Por mais equilibrado que você demonstre ser, a vontade muitas vezes é dizer umas verdades muito bem ditas e lavar a alma.
Mas ,o que acontece se seguimos nosso impulso? Uma raiva se junta à outra e a situação foge do controle.
Nunca se iguale ao outro. Seja superior. Ele é que tem que aprender com você pelas suas atitudes cordatas e política de boa vizinhança. Não seja você a alimentar da raiva do outro e dar o péssimo exemplo de devolver na mesma moeda. Lembre-se: Você é gentil e bem educado!
Reflita sobre isso.
O Efeito das palavras

O menino era muito bravo e mal humorado: gritava com os outros, xingava, falava mal das pessoas. Seu pai lhe deu então uma bolsa cheia de pregos e disse:
_ Cada vez que estiver para perder o juízo martele um prego na cerca.
No primeiro dia, o menino cravou 37 pregos.
No 2º dia cravou 30 pregos. E assim por diante, diminuindo o número acada dia. Ele descobriu que era mais sensato controlar seu temperamento explosivo do que ir até o fundo do quintal para martelar a cerca. Até o dia em que ele não perdeu a razão nenhuma vez.
Quando disse isso a seu pai, este retrucou que, a cada dia que ele passasse sem perder o controle, tirasse um dos pregos cravados na cerca.
Os dias se passaram até que o menino disse finalmente a seu pai que não havia mais pregos na cerca. Seu pai levou-o até lá e disse:
Muito bem. Mas veja esses furinhos todos que ficaram aqui. A cerca nunca mais será a mesma.
Quando magoamos as pessoas, dizemos palavras que deixam cicatrizes iguais a esses buraquinhos. Por mais desculpas que peçamos, a cicatriz continua lá

Palavras podem magoar tanto quanto um prego.Pense bem antes de ofender alguem..

Nenhum comentário:

Postar um comentário