terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Bullying, provocações sem limites


     O filme que melhor retrata o tema mais polêmico da atualidade

    Recentemente fui atraída pelo título de um filme em DVD com a seguinte sinopse


  • "Jordi é um adolescente que perdeu recentemente seu pai e que, junto à sua mãe, decide mudar de cidade para começar uma nova vida.
     Em princípio tudo parece bem, mas o destino reservado para ele será umal terrível surpresa já que quando Jordi passar pelo portão da nova  escola,  cruzará sem saber a tenebrosa fronteira de um novo inferno".


Mas essa sinopse diz bem pouco perto da profundidade e seriedade com que o tema é abordaddo.
Um filme que atrai, emociona , provoca lágrimas e também incompreensão e raiva..
Parece tão simples, pensamos.
 Porque a vítima não reage? Não denuncia?
Porque os colegas de classe presenciando tanta covardia não se expressam levando o caso à direção?
No caso do filme o agressor é líder total. Todos o temem. Ninguém se atreve a denunciá-lo.
Alguns até consideram Jordi, a vítima, um fraco por permitir tais atrocidades contra sua própria pessoa. A decisão deve ser dele. Ele deve se libertar.
Fica também a pergunta: porque a escola também não percebe que algo está errado com o comportamento da vítima?
Jordi, a personagem vítima logo no início se mostrou um aluno dedicado, estudioso e inteligente. Destacou-se em Matemática o que chamou a atenção de um grupo de garotos zombadores liderados por Nacho, que era o chefe da “gangue”. Liderados por ele, articulavam as mais terríveis cenas de tortura .
Também se destacou no basquete o que logo fez com que o agressor o intimidasse e o obrigasse a abandonar os treinos. O professor até que estranhou sua retirada do esporte, mas classificou como um capricho e não insistiu muito, mesmo sabendo de suas habilidades e amor pelo esporte.
Jordi temendo novas represálias depois resolve não ir mais ao colégio. A mãe só fica sabendo que não está frequentando as aulas e também abandonou o esporte, sua paixão, quando a escola comunica seu abandono da sala de aula. Mesmo assim, ninguém percebe o porquê.
As agressões continuam. Agressões, não, são cenas de verdadeira tortura com requintes de crueldade.
Um fato que me chamou a atenção foi o perfil do agressor. Dissimulado, cínico. Como tantos que conhecemos. Mas de uma crueldade inexplicável. Eu o definiria como um psicopata.
As pessoas tem reações imprevisíveis quando sentem-se ameaçadas, como no caso do agressor que por certo temia perder seu espaço de líder, o melhor e mais respeitado da escola.
Jordi conhece pela internet uma garota também vítima de bullying. Passam a se encontrar e juntos descobrem muitas afinidades. Afinal ambos eram prisioneiros do bullying escolar.
Quando essa garota, sua namoradinha, sofre um atentado na escola onde frequenta, Jordi fica chocado e se vê mais amedrontado e acuado ainda. Durante sua visita ao hospital em  visita à garota, esta  sofre uma parada cardíaca.
Jordi se desespera. Ele também não conseguirá superar seus muitos traumas.
Está sozinho. Não pode pedir ajuda a ninguém. Então toma uma decisão trágica:
 Somente a morte o libertará!
E se atira da sacada do apartamento...

As cenas são fortes. Em determinados momentos tive ímpetos de interromper o filme.
Mas vale a pena assistir. Uma abordagem real, forte e profunda sobre bullying e que leva a muitas reflexões:
 Estão as escolas preparadas para perceber e lidar com esse tipo de assédio dentro das escolas?
Nacho, o agressor percebeu as qualidades de Jordi imediatamente. Qualidades que punham em risco sua reputação de “o melhor” da classe.
Não falharam os professores e a direção não dando a devida atenção às qualidades de Jordi? Não teriam agido com uma certa displicência?

Não assistiu? Confira!

Nenhum comentário:

Postar um comentário