quarta-feira, 10 de abril de 2013

Acaso ou destino?



Muitos de nós já ouvimos contar de pessoas que se livraram de acidentes horríveis por pequenos acontecimentos que as impediram de estar no local na hora exata do ocorrido..
Como aquela pessoa que perdeu a hora porque o despertador falhou e evitou de estar no local fatídico no exato momento da tragédia Ou aquela que teve sua vida poupada porque se atrasou para o vôo ou para a viagem de ônibus. Aquele que na última hora decidiu não entrar no recinto fechado e acabou livrando-se de possível morte por asfixia por incêndio no local.
São muitas as histórias. O programa Roberto Justus + de ontem, 8 de abril abordou o assunto. Alguns famosos foram convidados para relatar sua experiência. São histórias de dor, coragem e superação. Entre outros, Débora Lyra , miss Brasil 2010 e o modelo Ranimiro Lotufo narram suas experiências conversando com o apresentador sobre o tema “nasci de novo”
Pessoas que passaram por traumas físicos e psicológicos e após recuperados, passam a ter um novo olhar para a vida.
Você poderá rever as entrevistas completas aqui

Para alguns casos que se julgam inevitáveis, tem até uma famosa frase para justificar a fatalidade: “estar no lugar errado na hora errada”.
E quero ilustrar o que digo com uma pequena história verídica, da qual sou testemunha e convivo quase que diariamente com a triste realidade do quadro: Leia o relato abaixo  e dê sua opinião.
***********************************************************************************
A aula transcorreu normal.. A manhã era bela e ensolarada...
A juventude gritava dentro dela.. sonhos... desejos...projetos...
À saída, após as despedidas, o grupo se dispersa.
Hora de voltar para casa. À tarde, quem sabe uma reunião com os colegas da escola para resolver aquela tarefa...
A volta, como sempre, de bicicleta. O caminho era tranquilo, conhecido...
Naquela manhã tão linda era agradável sentir o calor do sol aquecendo a pele... o vento batendo no rosto... brincando com os cabelos.
Uma esquina antes de casa... o inesperado.
Um rapaz fazendo peripécias com sua moto vem ao seu encontro. Um irresponsável “brincando” de “cavalo de pau” em plena manhã , numa rua não apropriada...
O impacto foi inevitável.
Confusão...correria...
Hospital... ameaça de amputação da perna.... Um ano de sucessivas internações intercaladas com períodos em casa. Infecções hospitalares... cirurgias...
Não perdeu o membro inferior. Mas perdeu a sensibilidade do mesmo. Perdeu o movimento do pé...perdeu a capacidade deambulação.
De normal, passou a deficiente físico. Assim...num piscar de olhos.
Uma vida que tinha tudo para seguir um caminho pautado pelas melhores escolhas.
Sempre que a vejo, não consigo evitar os “SE” a me perseguir...
Se ela tivesse se atrasado um pouco mais na saída...
Ou se não tivesse se atrasado tanto em rodinhas com as colegas...
Se tivesse feito um outro caminho... se...se.. se...
Mas ela estava lá...naquele exato momento...naquela exata hora...
Não dá para voltar atrás. O que está feito, está feito.
Vai ser difícil, mas terá que aceitar e aprender a percorrer o novo caminho que a vida se encarregou de traçar...

E você, o que diz? Acredita em destino? Casualidade ou providência divina?



7 comentários:

  1. Incrível esses fatos e nossas vidas são sempre cheias de SE,SE,SE....

    Acredito que estamos no lugar certo na hora certa e sempre deve haver um motivo...beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. É tão difícil encontrar uma resposta, Edite. Muito triste a situação da jovem do seu relato... chega a doer na alma.

    Duas tragédias ocorridas nos EUA durante os últimos dias... uma com dois meninos, um de 4 e outro de 6 anos, brincavam no quintal enqto os pais de ambos se socializam ali por perto... o de 4 anos foi pra dentro de casa, pegou uma arma, voltou pro quintal, disparou um tiro no de 6 anos, que veio a falecer no dia seguinte, ontem. Ambas as famílias estão devastadas pois são todos amigos de comemorar Domingo de Páscoa juntos. -- Outro caso, uma mulher e um menino de 6 anos entraram em casa onde o dono da casa, um policial, mostrava suas armas para outro cara... o menino pegou uma das armas e disparou um tiro na mulher, que morreu na hora. -- Destino? Coincidência? Providência divina? Qtas vezes não vemos troca de tiros entre bandidos e policiais e haja disparo pra um matar o outro... nos dois casos aqui, apenas um tiro --disparado por criança pequena-- foi suficientemete certeiro pra matar.
    Paz

    ResponderExcluir
  3. A gente fica sempre nessa dúvida, não é Edite? Fica na economia do Senhor.
    Abração.

    ResponderExcluir
  4. Quando Coisas Ruins Acontecem às Pessoas Boas
    Autor: Kushner, Harold S.
    Editora: Nobel
    Categoria: Religião / Judaísmo
    "Quando Coisas Ruins Acontecem às Pessoas Boas" dirige-se àqueles que desejam acreditar na bondade e justiça divina, mas não conseguem conciliar tal crença com a dor do ser humano. Um livro que transmite a paz de espírito, sendo capaz de mudar profundamente a sua vida.
    Paz

    ResponderExcluir
  5. Olá vim agradecer a sua visita e as palavras amaveis que deixou. Quanto aos moldes dos passarinhos, se gostar faça ... acho que ficam muito mimosos.
    Beijinhos e volte sempre ...

    ResponderExcluir
  6. Há um ou dois anos um menino saiu numa foto mostrando um cartaz com palavras pedindo para acabar com a violência. No dia 15/4/13 ele estava segurando outro cartaz; desta vez, saudando o pai que ele esperava na linha final de chegada da Maratona Internacional de Boston. Uma bomba explodiu e o menino de 8 anos morreu; sua irmã de 6 anos perdeu uma perna; a mãe ficou ferida. Acaso ou Destino? Não sabemos. Sabemos que foi maldade pura; sabemos que a dor da perda e a dor de perder uma parte do corpo é profunda. Até mesmo nós, pessoas desconhecidas, sofremos mesmo que por um momento.
    Paz

    ResponderExcluir
  7. Muito triste este acontecimento ocorrido durante a maratobna de Boston. O homem tsata estrapolando em questão de maldade e tortura. Abcs

    ResponderExcluir