quinta-feira, 11 de abril de 2013

Convivendo com idosos

Tenho observado minha mãe.
Anda calada , absorta em seu mundinho particular. Às vezes a olho e fico imaginando o que se passa pela sua cabeça. Vejo-a como uma chama que se apaga lentamente.
Em certas ocasiões um pequeno vestígio de brisa leve parece parece trazê-la de volta à realidade.
Não à nossa realidade, mas à realidade dela...
E então é como se despertasse e seu subconsciente  a alertasse que é preciso voltar para casa.
E então fica ansiosa como uma criança , e por vezes incontrolável nesse seu desejo de voltar para o que considera “seu cantinho”.
E assim passam-se os dias. A chama da vida a tremular, oscilante...
É preciso sensibilidade e um coração aberto ao acolhimento para perceber os valores que o idoso nos transmite mesmo através do seu silêncio e apatia ou também na dor.
A sabedoria que vem de minha mãe já alquebrada pelos anos, que não são poucos, só a percebemos nós que estamos a seu redor diariamente. Para o resto da sociedade é como se ela não existisse.
Somente a convivência diária com um idoso pode nos dar a dimensão do que é “ficar velho”.
Por isso reportagens como a que a TV transmitiu hoje pela manhã tem o dom de me deixar indignada ao extremo e mexer com meu humor.
Não se pode admitir que depois de quase uma centena de anos dedicados a uma família, ao final da vida, idosos sejam tratados como seres inúteis e empecilhos para a vida dos filhos.
Assim era tratada dona Maria Júlia , trancada dentro de casa a semana toda e visitada pela filha Míriam, apenas a cada três dias. Momento  raro  que vinha para lhe trazer alimento como se fosse um animalzinho irracional e indefeso.
Desta vez a idosa estava já há cinco dias trancafiada em casa e foi ouvida pelos vizinhos com gritos de “socorro”!
A situação já perdurava há pelo menos dois anos segundo depoimento de vizinhos que, também não entendi bem porquê ,só agora denunciaram esse crime bárbaro.
Melhor que se apropriar da aposentadoria da mãe, como disse a reportagem, seria que esse dinheiro fosse usado para os cuidados com a idosa que vivia isolada , convivendo com a sujeira , fazendo parte da "mobília velha" da casa.
Eu fico indignada apenas em relatar tal fato. Imagino que um dia também poderei estar na pele dessa “velhinha” e não gostaria de receber esse tratamento de meus filhos. Um mínimo de respeito é o que todos nós esperamos em situação de velhice dependente.

Sugiro a quem for do interesse que vejam o vídeo completo sobre essa reportagem aqui:

Muitos abominam os asilos, tidos como lugares frios e impessoais. Algumas experiências, nos passadas pela mídia, talvez acentuem esse nosso conceito sobre asilos. Mas, acredito que haja os confiáveis, onde melhor seria estar com pessoas que amenizem a solidão do idoso, favoreça situações de lazer e melhor convívio social entre pessoas da mesma faixa etária .
Ali convivendo com outros na mesma situação de abandono de familiares ,podem se confortar entre si. Além de que certamente serão alimentados regularmente , terão sua higiene pessoal bem cuidada e sua saúde como alvo de tratamento prioritário.
 Seria o idoso  "enxergado", cuidado com carinho  e não apenas visto como um objeto dispensável...


 “Como eu disse, a convivência com os idosos é que nos dá dimensão do que é envelhecer.
É preciso saber enxergar por detrás das rugas, das limitações, das ranhetices...”



Poderá gostar de:
violência contra idosos


11 comentários:

  1. "A convivência com os idosos é que nos dá dimensão do que é envelhecer. É preciso saber enxergar por detrás das rugas, das limitações, das ranhetices...”

    Essa sua reflexão me fez lembrar do penúltimo filme de Jack Lemmon, filme do livro "A ültima Grande Lição" -- baseado na amizade entre o autor do livro e um seu ex-prof. universitário... duas vezes, durante a enfermidade do professor, antes do filme ser rodado, ele deu entrevista na TV e na segunda vez a enfermidade já estava em estado bastante adiantado. "Ame um ao outro ou pereça" -- citado no livro.

    veja o filme aqui, legendado em português.
    http://www.youtube.com/watch?v=8j6k_I7nlKw

    O título original, se devidamente traduzido, é "Terças-feiras com Morrie"

    terça-feira = dia da visita do aluno ao ex-prof.
    Morrie = nome do prof.
    Paz

    ResponderExcluir
  2. Assistir a um vídeo desses dói n'alma.
    A gente cuida dos filhos com o maior cuidado, maior amor e quando se chega na velhice recebe tal tratamento.Nossos velhos merecem todo o respeito do mundo, a começar pelo governo que deveria dar uma atenção especial à velhice no sentido mais amplo da palavra para que pudesse,também, coibir atos dessa natureza.
    Parabéns pela tua excelente mensagem de alerta.
    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razão Tunim, uma melhor atenção por parte das autoridades por certo coibiria certos atos abomináveis.

      Excluir
  3. É impressionante ver de perto idosos...Conviver ,tratar, cuidar. Merecem todo carinho e respeito"! beijos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É como eu disse Chica e Fábio: "Convivendo com idosos é que temos a verdadeira dimensão do que é envelhecer"

      Excluir
  4. Olá, tudo bem? Percebo que o meu pai está envelhecendo (tb estou, óbvio). Mas vejo isso refletido no meu pai.... Bjs, Fabio www.fabiotv.zip.net

    ResponderExcluir
  5. Desejar sempre o melhor para os amigos
    é uma alegria, e agradecer o carinho de sempre
    é uma vitória, por isso te visito hoje desejando um
    final de semana cheio de muita paz,
    E parabenizo sempre pelo post agradável
    Deixo meus comprimentos eternos
    Bjuss
    Rita!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada pelo carinho Rita ... Volte sempre e será muito bem vinda!

      Excluir
  6. Mamãe faleceu aos quase 82, tinha Alzheimer e outras demências, não foi fácil o finalzinho dela. Mas,felizmente, sempre esteve bem apoiada, morando com meu irmão e, por último, comigo. Não era fácil mesmo, ela tinha delírios, a confusão mental gerava muitos problemas, mas ela estava ali, muito bem cuidada, com imenso carinho.
    Sei de idosos que ficam largados, muitas vezes explorados por quem (filhos, netos...) devia cuidar deles com amor e cuidado.
    E não devia ser favor, ato de amor é algo natural, que se faz simplesmente.
    Beijos Edite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Beth, prazer em tê-la aqui novamente. Fico indignada Beth com esse tipo de pessoa sem nenhum sentimento de gratidão e compaixão por aquela ou aquele a quem deve a vida e tudo que é. Pessoas insensíveis que não conseguem enxergar no idoso uma cópia do que fatalmente será amanhã. e com certeza tb em certo momento lhe faltarÁ A UTONOMIA E TODA AJUDA SERÁ BEM VINDA. cEGOS, SÃO ESSES QUE SE JULGAM INVUNERÁVEIS ÀS AÇÕES DO TEMPO. bJS.

      Excluir
  7. Edite, vc viu o filme do link que eu postei? Jack Lemmon, como sempre, imperdível... e a mensagem do filme é muito forte tb. TE vejo no próximo post.
    Paz

    ResponderExcluir