quarta-feira, 19 de junho de 2013

Honestidade!

 Bons exemplos ainda existem....

Esta semana  fui com um amigo na baixada dos camelôs, na cidade vizinha. Confesso que nunca tinha estado ali e aquela diversidade de barraquinhas entulhadas de badulaques, me atraiu. Fugir dos shoppings, conhecer outras realidades é gratificante. É no meio do povão que se conhece a vida como ela é..
Lembrei-me de que precisava de uma bolsinha porta celular. Dessas baratinhas, mas práticas e úteis.
Enquanto meu amigo vasculhava seu objeto por entre as barracas, eu fiz parada em uma delas onde havia uma variedade do objeto procurado.
 Escolhe, prova, coloca o celular, tira o celular, abre, fecha... Até que me decidi por não levar. Não me agradaram.
Agradeci e saí procurando em outras barracas. De repente alguém me toca pelas costas. Era a dona da barraca onde eu estivera antes. Viera rápido me entregar o celular que havia esquecido dentro de uma de suas bolsinhas. Achei de uma honestidade incrível. Eu não dera pela falta do mesmo. Talvez só o desse quando estivesse em casa. E daí até provar que meu celular tinha ficado entre seus objetos, seria outra história.

É tão comum hoje pessoas inescrupulosas se apropriarem indevidamente do que não lhes pertence. Muitos se apoiam na frase popular e tão conhecida: “Achado não é roubado”. Acham-se espertinhos. Nada mais do que uma justificativa para transformar atos imorais em morais ou irracionais em racionais.
Poderia continuar aqui discorrendo sobre uma série de atos de honestidade que já presenciei como também fui protagonista. O inverso também é verdadeiro.

Diariamente encontramos em nossos caminhos honestos e desonestos. Mas são os bons exemplos que arrastam. Donde se conclui que honestidade pode ser inerente ao caráter da pessoa. Mas também se aprende e se lapida. Tem papel fundamental primeiramente a família e complementa-se na escola.

Dois ingredientes  fundamentais acompanham a honestidade: a vergonha  da transgressão, o receio de ser descoberto  e a culpa, resultado da auto crítica e que traz o remorso.
Por isso digo que quem é honesto, o é por natureza e ponto final. Pessoas assim não conseguem ficar com o que não é seu, mesmo que tenha achado no banco da praça ou na rua.
Sempre encontra um meio para devolver.

E você, se conseguiu ler até aqui, seja honesto e dê seu parecer real sobre o texto.



6 comentários:

  1. Que bom quando nos deparamos que a honestidade existe. Isso é ótimo!

    Exemplos desde a família valem muito pra formar essa qualidade ... beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Edite, apesar de toda e tanta maldade que existe no mundo, dizem que existe mais pessoas boas do que pessoas más. Algumas vezes fica difícil acreditar... outros dizem que as coisas voltam pra nós tal e qual praticamos contra ou a favor de nosso semelhante... não sei. De qq forma, apreciei seu relato lido justamente a meia horinha da minha ida ao hospital, local onde nem sempre encontramos o cuidado necessário.
    Paz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá paz, sinto-me honrada por meus textos estarem inclusos em seus pequenos momentos para leitura....E muita responsabilidade, mas gratificante. Teu interesse serve-me de estímulo...

      Excluir
  3. Edite, abordando honestidade, acabo de ler algo assustador!
    terça-feira, 7 de maio de 2013
    Foro de São Paulo manda Brasil importar 6 mil “médicos” cubanos para propagandear “socialism"
    http://www.alertatotal.net/2013/05/foro-de-sao-paulo-manda-brasil-importar.html
    Paz

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Eu também procuraria o dono do celular. Eu sempre acredito na lei do retorno. Bjs, Fabio www.fabiotv.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mas isso nem sempre acontece. passei por outra experiência semelhante e não houve retorno, infelizmente.... fiquei no prejuízo.

      Excluir