quarta-feira, 31 de julho de 2013

Me aqueça neste inverno!

Enfim, os termômetros deram uma trégua e hoje , aqui no oeste paulista já pudemos usufruir de uma temperatura mais amena. O dia amanhece frio mais vais esquentando com o passar das horas voltando a esfriar pela tardinha e madrugada.
Há aqueles que dizem gostar do inverno . Para muitos o inverno é uma estação inspiradora. 
Escritores e cineastas dela se beneficiam produzindo belos textos ou filmes com cenários incríveis onde o mocinho herói da trama vence a nevasca ao encontro de sua amada. Ou ao contrário, a mocinha passa longas noites ao pé da lareira tecendo um agasalho para o amado enquanto revive em pensamentos, momentos que ficaram para trás.
Grande parte das mulheres se inspiram na moda de inverno europeia e produzem looks fabulosos fazendo belas sobreposições de blusas, casacos, echarpes, ou xales.
Eu particularmente não gosto desse inverno rigoroso de dias atrás. Fico mais lenta, menos produtiva e abstenho-me de sair de casa. Prefiro ficar hibernando,enrolada num cobertor...
 E acho difícil encontrar um look que não apenas fique elegante, mas que realmente aqueça.


Esta imagem me lembra do tempo em que meus filhos madrugavam para tomar o ônibus que os levaria até o colégio na cidade vizinha. Manhãs frias, geladas...Vida de estudante, sofrida, mas frutuosa...
Difícil ficar elegante numa madrugada com temperatura baixíssima, muitas vezes abaixo de zero!

Como por aqui não temos lareira, um item completamente dispensável para nós paulistas, a gente se vira com bebidas e caldos quentes como paliativo para este inverno rigoroso.
Vivemos num país tropical e não estamos acostumados com esse frio que dói. Nossas casas não possuem aquecimento e também nossos agasalhos não são fabricados para suportar temperaturas negativas.
Resultado: inverno rigoroso, temperaturas baixíssimas é sofrimento na certa. 



Se nós morremos de frio dentro de nossas casas, sobrepostos de cobertores e blusas aconchegantes,imagine esse pobre coitado ao relento
Ficamos reclamando do frio intenso, da necessidade de levantar cedo, da água do banho que não atinge a temperatura adequada, enquanto muitos sobrevivem assim, durante o inverno. Ou morrem de frio...



Sem um teto, sem agasalho suficiente


No abandono, sem afeto...
O frio da indiferença é ainda mais doloroso....

 Durante a homilia na missa celebrada na Catedral Metropolitana do Rio, para bispos, padres e seminaristas, o papa Francisco atacou duramente o modelo econômico capitalista. "É um modelo que deixa de fora o velho, o que está abandonado na rua. Parece que o homem só pode se guiar pela eficiência e pelo pragmatismo", afirmou, dizendo que os religiosos não podem ter medo de ir contra essa corrente. "Essa cultura atual está escondendo a solidariedade", disse o Papa.mas sair ao encontro de irmãos e irmãs que estão na periferia. Não se pode ficar fechado na igreja enquanto tanta gente precisa do evangelho". "Temos que começar pela periferia, pelos que estão fora da igreja",

Esta é a solidariedade pregada por Cristo, nas palavras do  Papa Francisco: "Ir ao encontro do próximo" 

E todos podemos. Basta sair de nossa  zona de conforto e olhar um pouco mais além! 


poderá gostar de;

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Mais fotos- Goiânia

Momentos festa junina do Lucas
tá tudo muito bom... com milho verde, melhor ainda. Adoroooo...

olha só o sorrisão do papai coruja!

e então, nesta festa não tem comida? Tô com fome....

até que enfim... adoro milho verde!

eta festa danada de boa...

e agora, hora da pipoca...

 
Antes de escolher o cardápio, pose para a foto. Eu e a tia do Lucas...

domingo, 28 de julho de 2013

Momentos inesquecíveis II

E já que estamos falando em netos, vou deixar aqui alguns dos momentos que vivenciei com Lucas e Maria Eduarda neste último mês.

hora de dar comida ao dinossauro.

...e a refeição continua. É preciso alimentar ,mamãe Dino, papai Dino e os bebezinhos. Coisas da imaginação do Lucas

na pracinha...parada para o lanche....


Hoje a pracinha está bem movimentada. É preciso reabastecer as energias...

Já não tenho mais medo de escorregar sozinho... ihuuuu  vovoóó....

é muito bom brincar na areia, mas se a mamãe sabe....

e adivinha quem está do outro lado da gangorra.... kkkkk . Esse meu neto...

Finalmente esta semana chegou a babá.... Agora a vovó pode sossegar um pouco e ficar de longe só clicando....

Lucas ama a irmãzinha. Quer ficar o tempo todo pegando a "mãojinha" e o péjinho" dela. Fica encantado com o tamanhinho dessa bonequinha de carne e osso.






 Poderá também gostar de:

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Os avós de nossos dias

Hoje, 26 de julho, é comemorado o Dia dos Avós.
e olha aí, meus dois mais recentes amores!
Uma data não tão lembrada como o Dia dos Pais ou Dia das Mães, sem apelos comerciais, mas significativa para marcar a importância deles na vida dos netos. Afinal, muitos avós são tão (ou até mais presentes) que os pais na Educação de seus netos.

Hoje, a grande questão para muitos avós é como participar da vida dos netos sem deseducá-los ou tirar a autoridade dos pais.
Eu não convivo com esse problema, porque meus netos moram longe de mim e nosso contato na maioria das vezes é apenas virtual.
Mas posso fallar dessa experiência que tive nesses últimos dias convivendo diariamente com meu netinho de 2 anos por quase 2 meses.
Esta é uma fase em que a educação precisa ser firme, com autoridade conciliada com afetividade., pois com tantas informações e facilidades que a criança tem hoje, corre-se o risco de termos crianças voluntariosas e desafiadoras. Ainda nem saíram das fraldas e já testam o seu poder perante os adultos. Nestas horas, os avós precisam ser firmes e não tão permissivos , sabendo se posicionar em suas atitudes, apoiando os pais na educação para não correr o risco de “estragar “ os netos desautorizando os pais.
Estão na idade em que tudo já entendem. O exemplo e a firmeza dos pais são muito importantes. Na peraltice, nada da avó ou avô passar a mão na cabeça do neto. Tenho presenciado cenas assim: Os pais corrigem e o neto busca consolo nos avós que sempre lhes perdoa.
Seja afetuoso, sim, mas converse, mostre o porque dos pais terem aplicado o castigo. Mostre a necessidade da obediência.
É importante que os avós passem sua experiência de vida aos netos, conte-lhes histórias, fale de sua infância. 
 Eu gosto muito de ler para minhas netas quando estão aqui, e com o Lucas, também já vou mostrando as figuras e falando sobre elas.Sem falar nas histórias infantis contadas na hora de dormir.
Também vou para o computador com eles e assistimos a vídeos . Para isso é preciso estar sempre atualizada com os novos lançamentos.
É comum me encontrar no quintal participando de alguma brincadeira ou sentada no chão com o Lucas “construindo” prédios ou castelos conforme sua criatividade. Enfim, estimulando-os a desenvolver novas potencialidades.
Quando estão aqui, gosto de levá-los à pracinha para brincar, tomar sorvete, fazer novas amizades, estimulando-os ao bom convívio social.
E não acredito que cuidar de netos seja mais fácil que cuidar dos filhos. A responsabilidade é a mesma e os avós precisam fazer-se respeitar também. Apenas os avós talvez por já estarem numa ffase mais tranquila e despreocupada com trabalho e outros compromissos tenham mais tempo e paciencia com os netos.

 
O relacionamento entre avós e netos precisa ir além, principalmente porque aquela figura da avó de cabelos brancos, fazendo tricô na cadeira de balanço é coisa do passado. Com o aumento da expectativa de vida, os avós hoje têm muito mais energia e vitalidade para acompanhar as brincadeiras dos netos e, por experiência própria, tem muito a contribuir para a formação das crianças.


a todos os avós!

Você também poderá gostar de;





AMIZADE SINCERA- Dominguinhos





Com este vídeo quero fazer uma homenagem ao saudoso cantor e compositor Dominguinhos, o herdeiro musical de Luis Gonzaga e um dos sanfoneiros mais importantes do país.
Domingos (José Domingos de Morais) faleceu  nesta terça-feira (23), aos 72 anos, após enfrentar um câncer de pulmão nos últimos anos. Ele foi um dos principais compositores, instrumentistas e intérpretes da música popular brasileira e, especialmente, da música nordestina,
Faleceunesta terça-feira (23), aos 72 anos, após enfrentar um câncer de pulmão nos últimos anos. Ele foi um dos principais compositores, instrumentistas e intérpretes da música popular brasileira e, especialmente, da música nordestina.
 
Além do forró, o trabalho de Dominguinhos tem a influência de outros gêneros, como a bossa nova. A versatilidade se reflete nas parcerias que fez com artistas como Elba Ramalho, Gilberto Gil e Chico Buarque. Ele também teve reconhecimento internacional, ganhando um dos prêmios do Grammy Latino, em 2002, com o álbum Chegando de Mansinho
Entre outras , é dele e Renato Teixeira esse bela canção gravada em vídeo.
 Uma canção que é uma verdadeira poesia, ressaltando muito bem o valor de uma amizade verdadeira.
 Vale a pena conferir .

terça-feira, 23 de julho de 2013

Espalhando sementes de amor

Hoje pela manhã recebi a visita de uma amiga. 
Ainda não tínhamos nos encontrado após a minha volta da viagem.  Como viajei antes de meu aniversário , ela veio trazer-me uma pequena lembrança e dar-me as boas vindas. Nos comunicamos pouco durante minha ausência porque ela não é muito familiarizada com o celular e nunca se interessou por redes sociais, e-mails etc...
Um gesto delicado de carinho e que faz o retorno ficar ainda mais aconchegante. Uma das coisas boas dessas longas ausência é , além da família  que nos espera ansiosa, receber também o abraço carinhoso dos amigos  numa demonstração sincera de que realmente sentiram nossa falta.
Nossa amizade existe há mais de uma década, mas nos conhecemos desde que eu era meninota e ela já mocinha formada. Trabalhou na escola onde sempre lecionei, mas nosso contato era pouco e distante.
Mas eu me lembro bem de como nossa amizade começou. 

"Um dia uma colega sugeriu-me que a convidasse para participar do quadro de voluntários do serviço social que eu coordenava. 
Considerei uma boa ideia. Sabia que possuía algumas habilidades manuais necessárias ao projeto e que  morava sozinha.
 Já havia passado por algumas perdas de familiares.Tinha apenas um filho que a amparava, mas à distância.  Este filho era sua razão de viver. Não descuidava da mãe e ligava todos os dias para saber de sua saúde e suas necessidades.
Embora sempre tivesse amigos fiéis e o constante contato com o filho , faltava algo que a fizesse sentir-se útil e produtiva. E foi assim que a levei para o trabalho voluntário comigo, trabalho este que fizemos por cinco anos e que deixou boas recordações.Era muito querida por todos que ali frequentavam.
Durante esse período nossa relação de amizade foi se aprofundando e ela demonstra uma amizade tão forte e sincera que no início  até me constrangia, pois eu não me julgava merecedora de tanta atenção e desvelo.
Durante esse período em que estávamos juntas no voluntariado, ela perdeu o filho. Uma dessas doenças imprevisíveis que aparecem não se sabe como e leva inesperadamente o ente querido. O filho era sua vida, seu tudo, seu arrimo... Pensei que não fosse suportar a dor. Houve desespero sim , ações impensadas. Mudanças sem pré reflexão. Não acostumou no grande centro para onde foi na companhia da irmã. Muito breve voltou. Preferiu o seu cantinho onde tudo já estava pré - estruturado, onde conhecia cada canto que frequentava e cada pessoa a seu redor.
Ela sempre me fala que o filho a incentivava a permanecer no voluntariado comigo, pois ali sentia-se bem, esquecia "suas doenças", seus males. O filho a sentia mais otimista, mais cheia de vida e produtiva.

E hoje ela me trouxe junto com a lembrancinha, este cartão : " Que você permaneça espalhando sementes de amor em nossas vidas. E que estas sementes continuem a florescer felicidade em nossos corações por muitos anos."
 Sem falsa modéstia, eu apenas considero-me um ser humano comum, passível de erro, também com meus defeitos, erros e acertos e sinto-me lisonjeada por alguém me ver "espalhando sementes de amor".

Talvez eu sem o perceber tenha passado a ela otimismo e confiança, levado a ela esperança e vontade de progredir. Não sei, apenas sei  que sinto um tom especial em sua amizade por mim.

Fernando Piccinnini Jr. no seu livro "Boas Palavras" diz que "existem pessoas que são verdadeiras usinas de energia. As pessoas se transformam ao chegar perto delas, pois passam esperança, alegria, otimismo. Ganham coragem força, vigor e fé para continuar. 
São pessoas super especiais que existem para empurrar outras para a frente. Fazem-nas funcionar e desempenhar bem suas funções. É preciso ficar atento. 
Ela pode estar passando bem diante de você. Ou, mais importante ainda: Você pode ser essa pessoa que contagia os outros com sua força , mas ainda não descobriu.

Terei eu exercido involuntariamente essa influência positiva em sua vida?
Serei eu essa "usina de energia"????



segunda-feira, 22 de julho de 2013

Estou de volta pro meu aconchego...



Bem, caros leitores, demorei mas voltei.
Estava com muitas saudades de casa e também desse kantinho aqui onde deixo minhas impressões quase diárias. Antes de partir deixei alguns textos programados. Não havia planejado ficar ausente tanto tempo, mas a situação exigiu.
O dia a dia tumultuado não permitiu que estivesse mais presente quer na publicação de textos ou nas visitas às páginas de amigos que também deixam meus dias mais ricos e completos.

Novidades? poucas além daquelas que já tive oportunidade de publicar. Dentre todas, a melhor e mais rica foi ter sido presenteada com a chegada de Maria Eduarda,como já leram no post acolhendo Maria Eduarda, minha 3ª netinha,  correspondente aos 4 netos com que Deus já me abençoou.
Mas eu já sabia bem antes de minha ida que dessa vez a estadia seria diferente.Nada de shoppings, parques, restaurantes.... Não fui para passear, mas para prestar ajuda em família.
Engraçado que essa viagem fez-me lembrar a passagem bíblica " Visita de Maria a sua prima Santa Isabel"
"Maria pôs-se a caminho e dirigiu-se apressadamente para a montanha, em direção a uma cidade de Judá"
Segundo a explicação da Igreja,  essa pressa explícita no evangelho de Lucas dá lugar à caridade. Maria foi até sua prima para servi-la durante seu período de gestação .
Podemos dizer que herdamos de Maria esse exemplo de caridade e ajuda ao próximo.
  Eu só tenho a agradecer por dessa vez estar em condições de prestar essa ajuda no nascimento de minha neta.
Isto porque por ocasião do nascimento do Lucas eu estava impossibilitada de andar. Um acidente tirou-me de circulação por algum tempo. Foi uma fase difícil tanto para mim como para minha filha que mamãe de primeira viagem  e com um bebê quase prematuro  vivenciou muitas dificuldades.
Mas, não dizem que "Deus dá o frio conforme o cobertor?" Pois bem , a fase difícil passou. Fui visitá-lo, ainda um pouco trôpega, quando já tinha quase seis meses de vida. A fase difícil já havia passado e ele já era um bebê forte e saudável.


 Desculpem, não era nada disso que eu queria escrever. Mas as ideias foram surgindo e as palavras escorregando.
 E prá não ficar muito longo o texto , deixo prá outro momento outros relatos assim como as fotos que pretendo postar com alguns dos momentos vividos nestes 38 dias em Goiânia.
 Por enquanto fiquem com esta música maravilhosa de Nando Cordel e que retrata bem toda a saudade que senti e a vontade de estar "De volta pro meu aconchego"

Vale a pena conferir!







Estou de volta pro meu aconchego
Trazendo na mala bastante saudade
Querendo
Um sorriso sincero, um abraço,
Para aliviar meu cansaço
E toda essa minha vontade
Que bom,
Poder tá contigo de novo,
Roçando o teu corpo e beijando você,
Prá mim tu és a estrela mais linda
Seus olhos me prendem, fascinam,
A paz que eu gosto de ter.
É duro, ficar sem você
Vez em quando
Parece que falta um pedaço de mim
Me alegro na hora de regressar
Parece que eu vou mergulhar
Na felicidade sem fim

domingo, 21 de julho de 2013

meu dia a dia em goiânia....

Ainda é muito cedo. Madrugada , mas eu já me encontro acordada. Em casa, buscaria  solucionar essa insônia indesejável vendo algum programa de TV, ou lendo. Mas aqui, divido o quarto com o Lucas que dorme tranquilo na caminha ao lado. Parece um anjinho repousando.
 Bem, mas anjinho  tranquilo só mesmo repousando. Acordado é uma criança muito ativa. Necessita sempre de muita atividade. Esta foi uma das razões que o levaram tão bebê ainda para o maternal. Era preciso encontrar formas de gastar toda aquela energia acumulada e difícil de controlar morando em  apartamento.
Agora, de férias coube a mim acompanhá-lo ao parquinho próximo de casa toda manhã.  Ao ar livre, tomando o sol da manhã na companhia de outras crianças ele se diverte e complementa seu aprendizado na partilha e companheirismo. Aprende também a não ser sempre o primeiro a usar o escorregador  ou o balanço. Enfim, vai aprendendo a se socializar e deixar o egocentrismo de lado.
Abro uma fresta da janela e olho as luzes da cidade adormecida. Que bem se pudesse escancará-la e receber em pleno rosto a brisa revigorante da manhã.
Alguns carros transitam nas ruas perpendiculares. Pontos luminosos em algumas janelas de prédios próximos indicam que ali o dia já começou.
Bip...bip...bip... uma buzina dispara ao longe misturando com o choro de Maria Eduarda que já reclama sua refeição da madrugada.
A mamãe acode rapidamente! Não se pode descuidar! O bebê já vai completar um mês de vida e não está ganhando   peso. Eu me preocupo. Seria necessário acrescentar um complemento ao leite materno?
Segundo recomendações da pediatra, deve-se ainda aguardar mais uma ou duas semanas para se ter certeza da insuficiência do aleitamento materno.
Os benefícios do aleitamento materno são evidentes em termos de saúde da criança, desenvolvimento intelectual e motor, risco de doenças crônicas futuras e saúde materna.
  Sabemos também que proporciona proteção imunológica e dispõe de propriedades anti infecciosas e anti alérgicas. Além do forte vínculo mamãe/ bebê.
Seria ótimo se o aleitamento materno fosse suficiente. Enquanto aguardamos sua próxima pesagem, Maria Eduarda chora a todo momento insatisfeita com a precária refeição.
E assim seguem os dias...entrecortados por  uma sucessão de risos e alegrias , mas também muito choro, troca de fraldas, mamadeiras  e... as artes do Lucas...


quarta-feira, 3 de julho de 2013

Recordando...


EMOÇÕES


Sábado, frio intenso e chuva fria. Show do rei Roberto Carlos no Maracanã.
 Para mim o show do Roberto Carlos é sempre único.Comemorar seus 50 anos de carreira, considero um programa imperdível. Mas um evento família também me impediu de ver o" rei "na telinha.
 É claro que com o frio intenso e a chuvinha fina e fria que caía, a boa pedida mesmo seria um cobertor...pipocas e... ficar ali tranquilamente curtindo  as emoções que o show do rei proporcionaria.
Mas, família é família, e não pude fugir desse compromisso. A noiva estava linda no seu vestido branco, o noivo maravilhoso e a festa também imperdível. Muita alegria. Cenas, lembranças do casamento de minha filha realizado no mesmo salão de festa,  me vieram à mente.
Recordações à parte, a maior emoção vivida foi ter falado com Nina.
 Nina é uma amiga querida, muitas vezes mais que irmã. Acontecimentos contrários à minha vontade fizeram com que nos afastássemos uma da outra.
Mas eu precisava falar com Nina e dizer a ela o quanto sua amizade sempre foi muito importante para mim. Dizer o quanto foi importante aquela conversa, aquele apoio num dos momentos mais difíceis de minha vida. Dizer que foram seu carinho e compreensão que  me fortaleceram.
Queria que ela soubesse que embora nossa relação ainda fosse continuar distante, pois ainda havia impedimentos para um relacionamento mais próximo, embora não nos falássemos muitas vezes ou até nunca mais , sua presença amiga estaria sempre comigo.
Da nossa bonita amizade tudo ficou gravado.E essas marcas bonitas eu as conservo em meu viver, revivo em meu cotidiano.
Na sua compreensão e apoio me reencontrei e despertei para a vida. Amigos de verdade ficam para sempre em nossos corações, geram lembranças indestrutíveis...
Parodiando Roberto Carlos, quero dizer que"com frio ou com chuva, o importante é que emoções eu vivi..."



Este momento realmente aconteceu e foi muito importante para mim. Confesso que não foi fácil aproximar-me de minha amiga para esclarecer uma situação constrangedora mal resolvida..
 Fiquei observando-a por muito tempo durante a festa até que surgiu o momento propício  para que me aproximasse. 
Não sabia qual seria a reação dela , como me receberia. 
Além do que, também não tinha muito tempo, pois nosso encontro  foi no toillete Lugar com um vai e vem ininterrupto  de pessoas.

Mas, o tempo foi suficiente para que nos abraçássemos longamente e reatássemos o elo partido..
Depois desse acontecimento, poucas vezes nos vimos e pouco pudemos nos falar, como eu supunha.
Mas eu a guardo no meu coração e tenho certeza que a recíproca é verdadeira.
Teremos outras oportunidades, eu espero...A vida sempre nos prepara surpresas...