segunda-feira, 14 de abril de 2014

Aos pés do leito...



Lentamente eu me curvo para curar as suas costas.
Por alguns segundos meus olhos se fecham, como se a adiar aquele momento doloroso. Fugir, nem que seja por um instante da triste realidade.
Mas é preciso. E, como se eu fosse a mais exímia enfermeira, minhas mãos já um pouco mais hábeis pela frequência do gesto contínuo e diário começam a se movimentar.
Não é um momento fácil. Meus lábios cerram com força ao imaginar a dor que aquele ferimento está lhe causando.
Mas ela é doce, resignada. E como uma criança que se entrega aos cuidados da mãe que lhe trará alívio, pacientemente suporta o momento.
É assim que me sinto hoje: uma mãe cuidando da própria mãe .
Quando arrumo a sua fralda eu me transporto no tempo e penso em quantas vezes ela não repetiu o mesmo gesto comigo.
E quantas vezes não teve que inventar mil histórias para me convencer a ir pro banho. 
 Ela dificilmente se recusa ao banho, mas quando percebo que está um pouco indisposta neste momento, eu me pergunto: "Aos 97 anos não teria ela esse direito de escolher o seu momento para o banho, da mesma maneira que as crianças fazem aos 2 ou 3 anos?"
E assim , minha mãe no vazio de sua memória vai-me ensinando a me despir também das preocupações e lembranças do passado e a me deter apenas nas surpresas do presente.
A resignação sempre foi uma de suas qualidades (ou defeito) que mais admirei.
Não tinha desejos complexos, adaptava-se a qualquer situação. Talvez as dificuldades da vida tenha lhe dado essa elasticidade.
Quando às vezes nos relatava de suas dificuldades , que não foram poucas, das lutas do dia a dia, da pobreza , enfim de como a vida era dura, nunca  o fez com amargura ,frustração ou mágoa reprimida. Tinha sempre um sorriso no rosto como a dizer: “Ah, minha filha, você não sabe o que é a vida. Mas eu venci. O pouco que tenho me basta.” 
Sentia nela uma vencedora. E olhando-a no leito hoje, não consigo vê-la de outra maneira.
É como se continuasse a me dizer: Eu venci! Consegui criar todos vocês. E hoje os tenho aqui a meu redor dando-me conforto e carinho, suavizando meus últimos passos para a reta final.
Cuidar de você mãe, não significa obrigação, retribuição de afeto em reparação a sentimentos de culpa .
 Cuidar de você tem sim um pouco de gratidão, claro,mas principalmente tem a ver com amor, aprendizado e fortalecimento espiritual. 
14/04/1419:14:08

 
"Convivendo com minha mãe eu  me deparo com minha própria fragilidade e reflito sobre a efemeridade da vida."   ( edite)
*************************************************************************

15 comentários:

  1. Lindo, emocionante e, sem dúvida um grande aprendizado de vida! Dar amor, retribuir tudo que te foi dado é muito bom! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Lindo lindo, tbém cuido da minha mãe
    é bem gratificante só dói vê-la tão fraquinha
    Emocionante

    Abraços com carinho de sempre

    Bjusss

    ╭•⊰✿¸.•* Rita!!

    ResponderExcluir
  3. Pudera todos os filhos desfilarem esse sentimento, esse coração agradecido por aquela que trouxe à vida! O texto é emocionante e gratificante. O Senhor se agrada dessa tua posição. Deus te abençoe e a ela também em seus restantes de dias!
    Abração.

    ResponderExcluir
  4. lindo e profundo e tocante, Edite...
    mesmo que já li o texto qdo de sua prévia publicação, possivelmente em seu blog antigo, sua mensagem me toca profundamente a cada vez que a leio.

    se vc me permite usar o espaço para mais uma indicação de livro sobre a vida antes e depois e que virou filme, anote aí "O Céu é de Verdade" (Brasil) ou "O Céu Existe Mesmo" (Portugal).
    leia aqui http://pt.wikipedia.org/wiki/Heaven_is_for_Real
    abraço, grande abraço... Paz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente paz, eu tenho escrito vários textos falando sobre minha mãe. È uma necessidade de colocar prá fora meus sentimentos. Escrever é a maneira que encontro para extravasar emoções contidas. Este texto surgiu logo após eu terminar minha tarefa diária cuidando de sua higiene pessoal , naquela mesma tarde em que datei no rodapé do mesmo. Eu tinha acabado de curar sua escara que está tão "feia" e tão aparentemente dolorosa que eu realmente não me contive. É emoção demais . Eu passo longos momentos pensando em como aliviar essa sua dor, como melhorar essa escara que está muito difícil de tratar porque ela já não se vira no leito. E uma posição só sabemos que as consequências infelizmente são essas. E tenho muito medo também que ela faça esse ferimento em outra parte também sensível do corpo. Tomamos todos os cuidados , com cremes, óleo de girassol para hidratação da pele e reposição de tecidos. Mas nunca se sabe. E nessa tarde eu saí muito abalada após a difícil hora do banho. Chegando em casa, sentei-me no computador e tudo foi saindo... Bjs

      Excluir
    2. Ah, e obrigada pela dica do livro. Pode ter certeza que vou incluir na minha relação de "livros para ler" e tão logo me aposse dele, o lerei sem dúvida.

      Abcs e obrigada pelo carinho.

      Excluir
    3. Edite, tenho uma amiga enfermeira aqui nos EUA que trabalha em lar para idosos... vou perguntar sobre alguma pomada ou medicamento para lidar com escara... se houver algo que vc queira tentar, te mando alguma coisa... sem compromisso da sua parte, OK? -- Bom Sábado da Aleluia e Feliz Páscoa... me lembrando do tempo em que nossa geração aguardava ansiosamente pelo final da Quaresma pq tinha um bailão na cidade no Sábado da Aleluia...
      Paz

      Excluir
  5. Edite, minha mãe tem 87 anos e a cada dia sua fragilidade aumenta. Ela não se conforma com isso porque sempre foi muito ativa, batalhadora, presente. Isso nos deixa tristes e posso imaginar seu sentimento com relação à sua. Percebe-se que é filha dedicada e amorosa, o que é muito belo. Que Deus continue ajudando vocês. Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Que grande aprendizado,Edite! Tive minha avó por 2 anos acamada assim, minha mãe cuidava dela como vc vem fazendo com a sua e nós ajudávamos, então sei um pouco de seus sentimentos e te reverencio pois não é facil. Vi minha própria mãe muitas vezes com lágrimas nos olhos e, quando minha avó se foi ela sentiu demais,mas cumpriu corajosa e amavelmente sua missão! Que belo e tocante texto e exemplo pra nós! bjs,

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde Edite,
    Achei maravilhoso seu depoimento.
    Muitas pessoas cuidam da mãe por obrigação, e isso é triste.
    Quando nossos pais voltam a ser crianças é nosso dever fazer por eles, com carinho e dedicação, tudo o que fizeram por nós em nossa infância.
    Bjs :)

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem? Nossa. Sua mãe tem 97 anos? Uma guerreira hein. Aproveito para desejar uma Feliz Páscoa! Bjs, Fabio www.fabiotv.zip.net

    ResponderExcluir
  9. Respondendo a todos que compartilham comigo deste momento difícil, realmente não é fácil. Exige dedicação, cainho , muito boa vontade e paciência. Nossa meta agora é deixá-la confortável, bem cuidada. Proporcionar que nada lhe falte alem de nossa presença e carinho. É um desprender -se de si mesmo colocando-a em primeiro lugar. É não se descuidar da higiene, alimentação e medicação. Procurar sempre "ouvi-la" quando as vontades não são expressas em palavras , mas em gestos ou comportamentos. Não se pode prever por quanto tempo ainda ficará entre nós. A cada dia uma etapa vencida , um dia a mais , e a cada dia tb um novo aprendizado. Sempre seguros na mão de Deus. Abcs atodos.

    ResponderExcluir
  10. Que lindo Edite! 97 anos! Tão bom ter nossa mãe ao nosso lado... eu também mimo a minha (está com 82 anos) e quero tê-la por muitos anos, poder cuidar dela com o mesmo carinho que cuidou de mim! Dê uma beijoca nela por mim! Bjks e Feliz e abençoada Páscoa! Tetê

    ResponderExcluir
  11. Hoje venho desejar uma:

    P░Á░S░C░O░A ...•°✿✿º°。... F░E░L░I░Z

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  12. Oi Edite, que lindo!

    Páscoa é dizer sim ao amor e a vida; é investir na fraternidade, é lutar por um mundo melhor, é vivenciar a solidariedade.
    Feliz páscoa! Beijos!

    ResponderExcluir