quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Resenha : O caçador de Pipas


A fraca programação da TV tem me feito optar por filmes . E do final do ano para cá tenho visto muitos . E entre tantos que assisti durante esse período , “ O caçador de Pipas “ de Khaled Housseini merece destaque.
Feito a leitura do livro e depois tendo assistido ao filme , não me resta dúvidas : não conheço filme que tenha conseguido retratar na íntegra as emoções vividas na leitura de um romance.. E “ O caçador de Pipas “ é mais um filme que deixa muito a desejar quando comparado com a leitura.

O Caçador de Pipas , primeiro livro do autor, vendeu milhões de cópias e alcançou grande sucesso.

Uma história que se passa na década de 70 e tem como cenário as ruas de Cabul , Afeganistão, onde uma das maiores características é a divisão de classes sociais ,deixando claro também o burburinho nas ruas , a busca pela sobrevivência, o poderio dos talibãs, o preconceito

O autor descreve cada lugar , cada cena e seus detalhes com tanta clareza que o leitor se vê transportado para a cena, o lugar , o acontecimento. 
Somos levados para uma cultura diferente , envolvemo-nos com as cenas e em certos momentos parece ao leitor estar inserido naquele ambiente . O que não acontece com o Filme , que não consegue nos passar essa mesma emoção, inclusive na atuação dos personagens.


 O LIVRO
Amir é da classe dominante e mora com seu pai e a criadagem numa grande e confortável  casa. ALI, é um dos criados de confiança da casa,. Seu filho Hassan e Amir , o patrãozinho são da mesma idade e juntos partilham uma grande amizade. Mas Hassan, o jovem mongol de lábio leporino é leal, verdadeiro , amigo fiel , capaz de dar a vida pelo amigo “patrãozinho” se preciso for. Ambos brincam juntos , correm ,  são apaixonados por pipas .
 Hassan não sabe ler e Amir então lê as histórias para ele , mas se aproveita para sutilmente humilhá-lo preconceituosamente por ser analfabeto. Hassan percebe a discriminação do amigo , mas seu coração bondoso e leal não impede de admirar cada vez mais o patrão


O autor ao descrever as cenas entre os dois amigos mirins sabe bem como envolver o leitor que acaba por entender os sentimentos poucos nobres de Amir . O mesmo se revela ciumento de Hassan e Ali com seu pai , sentindo-se preterido como filho. Em tudo se revela medroso , inseguro e covarde. 
Mas no seu íntimo admira Hassan, amigo leal, transparente e sempre fiel.
 Talvez seja justamente por  ser o contrário daquilo que ele é que  ame tanto o amigo. Uma admiração que prefere não demonstrar claramente.
 Mas, dentro de si trava-se uma batalha emocional.

Não consegue “sentir “ ou “despertar “ o amor do pai. E foi justamente devido a essa luta interior de sentimentos mal resolvidos aliados à uma índole falsa , invejosa e ciumenta que Amir acaba por tramar um embuste para ficar livre definitivamente de Hassan e seu pai.

Achava que agindo assim , talvez seu pai o enxergasse e admirasse mais . Ledo engano. O remorso jamais o abandonou. Ali e seu filho Hassan , desacreditados de seu patrão após tantos anos de dedicação e fidelidade , acabam por partir , deixando Amir e seu pai entregues a seu destino.


Tudo teve seu auge quando Amir e Hassan participaram de um campeonato de pipas . Com a ajuda de Hassan, Amir venceu para alegria geral. Ao final da competição, Hassan sai em desabalada carreira para recuperar a pipa azul e trazê-la como troféu para Amir.
 “ Por você, faria isso mil vezes” , fala Hassan . E sai correndo feliz em busca do troféu para seu amigo. Mas no caminho , o imprevisto o espera. 
 Assef , um temível adolescente invejoso mal amado e delinquente esperava por Hassan numa rua logo abaixo, um beco sem saída , juntamente com seu bando.
 Hassan era valente e muitas vezes já tinha defendido Amir do temível grupo. Mas , naquele momento foi pego de surpresa e sozinho não conseguiu escapar dos meliantes que o abusaram sexualmente. 

Amir , que tinha corrido atrás de Hassan, viu tudo escondido,  protegido por uma parede . Mas sua covardia o prendeu e ele ali escondido a tudo assistiu sem mover um dedo.

Entre os dois meninos fica um clima pesado no ar. Hassan envergonhado, mas decidido a compreender e perdoar o amigo pela deslealdade. Mas Amir não consegue conviver com sua própria vergonha e covardia e então arma um falso roubo onde a dedicação e lealdade de Ali e seu filho Hassan, por tantos anos de trabalho ,é posta à prova. Despedem-se , apesar dos pedidos do pai de Amir para que fiquem.


"Sempre dói mais ter algo e perdê-lo do que não ter aquilo desde o começo." -



"Abri a boca e quase disse algo. Quase. O resto da minha vida poderia ter sido diferente se eu tivesse dito alguma coisa naquela hora. Mas, não disse. Só fiquei olhando. Paralisado"



Suas vidas tomam novos rumos . A invasão dos soviéticos ao Afeganistão também vem contribuir para que a distância não só afetiva , mas também física os separe sempre mais.

Vinte anos se passaram . A vida de Amir passou por grandes reviravoltas . Mas o passado o perseguia . Agora morando nos EUA , para onde fugira com seu pai devido à invasão dos Russos , com a morte do pai  é forçado a voltar ao Afeganistão e acertar contas com o passado de erros que cometeu . 
Amir não pode mudar o rumo de sua vida por ter um dia tomado as decisões erradas e covardes 


Mas tem a chance da  redenção ao tomar conhecimento da existência do filho de Hassan , seu maior amigo e também meio irmão, como veio a saber, após a morte do pai. Uma criança sofrida pela guerra e perda dos pais . Um  "sobrinho" órfão, filho  de seu melhor amigo/irmão e que corre o sério risco de se tornar um escravo dos poderosos.

E é na busca por seu sobrinho que Amir vai procurar compensar todo mal que causou.




Pode ser injusto, mas o que acontece em poucos dias, às vezes até uma única vez, pode alterar o rumo da sua vida inteira”
 
A história é impactante . Fala de lealdade e valores. Fala de sentimentos negativos que guardamos e não conseguimos vencê-los. Uma mistura de amor, honra , culpa , medo e redenção.

O livro fará com que queira ver o filme . Mas o filme pode tirar-lhe a vontade de ler o livro. O que seria uma pena !







"Abri a boca e quase disse algo. Quase. O resto da minha vida poderia ter sido diferente se eu tivesse dito alguma coisa naquela hora. Mas, não disse. Só fiquei olhando. Paralisado"
- See more at: http://www.fundofalso.com/2012/10/resenha-o-cacador-de-pipas.html#sthash.NLPwASK2.dpuf

9 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Realmente a TV vive uma fase tenebrosa.... Vive os momentos de férias... É bom encontrarmos outras alternativas. Bjs, Fabio www.fabiotv.zip.net

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Fábio, férias eternas, falta de criativdade. Abcs

      Excluir
  2. Boa seleção literária, Edite. Médicos são dados a ser bons escritores, já reparou? E vc já leu ou viu o filme "As Cinzas de Ângela"? Excelente livro e me parece que o filme tb foi bom. Aproveito pra te indicar um seriado britânico que está passando no canal GNT não sei o dia da semana e nem me lembro o horário... Downton Abbey. Tão lindo... -- Feliz 2015 pra você em todas as suas empreitadas.
    Abraço / Paz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá paz , prazer em tê-la novamente como leitora explícita. "O caçador de Pipas " foi o primeiro livro que li do referido autor. Em seguida li outros que tb muito me agradaram. Agora estou aguardando chegar pelo correio "O silêncio das montanhas" que comprei pela net. Estou ansiosa para lê-lo tb. Abcs. BFDS.

      Excluir
    2. Ah, e obrigada pelas dicas sempre muito interessantes.

      Excluir
  3. Boa noite.
    Eu adoro ver filmes, nos finais de semana então.
    Agora ler um bom livro me fascina!
    Obrigada pela visita.
    Beijinhos e um ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  4. Oi querida amiga, adorei o post!
    Fiquei com vontade de ler agora! kkk
    Geralmente eu gosto mais dos livros também rs
    Tenha uma excelente semana, beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma leitura que vale a pena. O leitor fica preso à leitura do princípio ao fim . Boa leitura! Abcs

      Excluir
  5. Realmente até o ócio é melhor do que a tv. Faz tempo que li esse livro e ainda hoje me lembro do quanto é uma leitura especial. Beijo e ótima semana! Renata

    ResponderExcluir