sábado, 12 de outubro de 2013

UMA REFLEXÂO SOBRE O DIA DA CRIANÇA



Hoje, dia da criança. Dia de festa e muita alegria . As crianças são lembradas com doces e presentes. Na escola, a semana inteira foi de comemorações. Válido? Claro que sim. Da mesma forma que se comemora dia das mães, dia dos pais e outras datas, nada mais justo que a criança também tenha seu dia a ser lembrado. Mas tem uma coisa que me incomoda nestas comemorações.
Não quero parecer reacionária ou saudosista, fazendo comparações com “dia das crianças do passado” e “dia das crianças contemporânea”. Os tempos são outros. As crianças de hoje vivem uma realidade diferente e tem outras exigências. Mas não se diferem no quesito formação. Sempre foram e sempre serão nossos futuros cidadãos, crianças hoje, homens amanhã. 

Nelas está a esperança de um futuro melhor. Parece pesado colocar assim tanta responsabilidade nas costas de seres tão indefesos. Mas acontece que a responsabilidade é nossa, os adultos , dos quais depende sua formação.
Crianças são seres delicados incompletos psico, emocional e educacionalmente falando. E se não formos nós os adultos a incutirmos nelas valores em que o “ser” suplante o “ter” , que adultos teremos futuramente a não ser seres egoístas e individualistas , competitivos e nada cooperativos?

A criança de nossos dias é constantemente bombardeada quer dentro do lar ou fora dele por mensagens publicitárias que vendem a falsa ideia de que o indivíduo para ser aceito ou ser feliz é preciso adquirir esse ou aquele bem.
Vivemos numa época consumista. Estive no comércio da cidade vizinha na semana passada em plena segunda -feira pela manhã. 

Fiquei perplexa com a quantidade de mães acompanhadas de seus filhos à procura de algo que os agradasse como presente para o dia da criança. Pessoas de classe média baixa, início de semana... Confesso que me deixou um pouco reflexiva sobre que tipo de cidadãos estamos formando para o futuro.
 
E assim é hoje em nossa sociedade. Todos querem ter. Todos querem se igualar em questão de possuir.
Além de brinquedo, criança precisa de olhar, de afeto, de acolhimento..
É preciso cuidado para não trocar o afeto pelo brinquedo. Que tal, além da corrida ao shopping programar um passeio lúdico com seu filho onde ele possa partilhar com a família ou amigos emoções diferentes que resgatem valores como fraternidade , amizade e respeito?
Pais, Escolas, igrejas... reflitam recriem...

Andei pesquisando em alguns sites e descobri umas ideias geniais que já estão sendo aplicadas em alguns lugares do país. É só clicar no link abaixo;

e aqui, veja o projeto “Comemore o dia da criança de um jeito diferente”

Também há um vídeo aqui http://www.youtube.com/watch?v=p6Doowk-fv8
sobre como a criança participar de uma troca de brinquedos. Trocando o seu brinquedo, ela pratica o desapego e adquire um outro de outra criança que também se reeduca contra o consumismo exagerado e aprende a partilhar.







2 comentários:

  1. Qdo eu era criança, não existia esse tal Dia da Criança... nem qdo eu fiquei gente grande isso existia... tinha era o Dia de Cosme e Damião qdo crianças ganhavam balas e doces. Simples assim. Qdo fiquei sabendo dessa nova onda no Brasil, o Dia da Criança, e o exagero de brinquedos que a criança recebe, fiquei espantada! Isso vai de mal a pior... como se não bastasse a infelicidade que a criança pobre sente no Natal, agora tem mais essa infelicidade no tal Dia da Criança.
    Paz

    ResponderExcluir
  2. Isso mesmo Paz. Ja ñ bastasse os exageros "comuns" no Natal, inventaram tb essa data da qual quem mais sai ganhando é o comércio que se aproveita da data para explorar o lado consumista já tão comum nos dias atuais. É como eu disse: o afeto sendo substituido pelo brinquedo. Uma inversão total de valores. Felizmente, pelo q apurei ja existem alguns movimentos empenhados em reverter este quadro. Fk na paz.

    ResponderExcluir