sábado, 30 de junho de 2018

ARRAIÁ DA PASTORAL DA CRIANÇA




Comadre e compadre
Chegou o dia de nosso arraial
É só enfeitar as crianças
e trazer prá Pastoral
fazer uma bela festança


Muita festa , dança e alegria
vamos todos criançada
dançá nossa quadria
fazendo muita folia
nada desengonçada






prêmios para o tiro ao alvo com bexigas... Amaram!

muita brincadeira
comes bebes , prêmios mil
Lá fora o céu anil
a querer participar/
desta gostosa zoeira

sorri o sol
rebola a nuvem
todos num alegre vai vem
como no arrebol
de um alegre amanhecer


E foi neste clima de alegria e descontração que ocorreu no sábado anterior , dia 23/6 mais uma festa junina da Pastoral da Criança . 

A Pastoral da criança valoriza muito esses momentos pais e filhos brincando e se socializando juntos .

Procura resgatar valores culturais esquecidos e reavivar os momentos em que pais e filhos podem apreciar a companhia um do outro . 

Em tempos de muita tecnologia o que vemos em nossas visitas domiciliares é o domínio do celular e da TV , roubando momentos que antes serviam para aproximar pais e filhos, estreitar laços afetivos

Momentos que agora  são ocupados pelos pais a "correr o dedo " e o olhar  pelas redes sociais ou mesmo as crianças ainda pequenas envolvidas com os jogos no celular .
É preciso minimizar essa realidade . 
E a Pastoral da Criança , também tem esse papel e procura cumpri-lo dentro de suas possibilidades.


***********************************

"A festa junina é o lugar do encontro, é a festa da família e da comunidade. As brincadeiras lúdicas alegram as crianças e estimulam os pais e filhos  a brincarem juntos.


As crianças, em companhia dos familiares, sentem mais segurança e alegria. A convivência na festa junina contribui para o desenvolvimento da linguagem e da comunicação. 

Quando a criança participa de dança, fortalece as noções básicas da motricidade, da lateralidade, de equilíbrio e também, a capacidade criadora, isto é, a imaginação e a criatividade. 

Ela também amplia as habilidades de interação afetiva, sociais e cognitivas."

( Palavras de Ir.  Veroni Medeiros no programa Viva a Vida " da Pastoral da Criança )


terça-feira, 26 de junho de 2018

Canta...dança ...sonha, minha criança!




A bailarina


Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina.
Não conhece nem dó nem ré
mas sabe ficar na ponta do pé.

Não conhece nem mi nem fá
Mas inclina o corpo para cá e para lá

Não conhece nem lá nem si,
mas fecha os olhos e sorri.

Roda, roda, roda, com os bracinhos no ar
e não fica tonta nem sai do lugar.

Põe no cabelo uma estrela e um véu
e diz que caiu do céu.

Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina.

Mas depois esquece todas as danças,
e também quer dormir como as outras crianças.





MARIA EDUARDA

 






E domingo , dia 24, ela contou as velinhas! 

São poucas e carregadas de esperança, muitos desejos e muitos sonhos. 

"Lindinha da vovó, que seu caminho seja pontuado de flores simbolizada pelas conquistas e muitas vitórias. 
Que Deus a abençoe muito e seu caminho seja iluminado. 
Amamos você e tudo faremos para estar sempre a seu lado orientando-a, sorrindo com você e se preciso for também partilharemos lágrimas. 
O importante é sempre estarmos lado a lado mesmo que distantes.
Seja muito feliz.
 Parabéns hoje, felicidades sempre !"

Vovó te ama .


sábado, 16 de junho de 2018

Meus setenta anos

VIDA:  Presente de Deus 



Setenta anos
sete décadas 
abençoadas por Deus
Momento de reflexão
que nos coloca em oração
e tem por magia
Nos elevar aos céus

Ali bem juntinho de Deus
mãos postas quero agradecer
louvores a Ele cantar
por tanta vida me doar
e por conduzir meu viver

Olho para trás
olho para frente
O passado me fez crescer
O presente me enternece
O futuro a Deus pertence
O que importa é o presente

Aniversariar
Presente de Deus
Tudo que superei
Tudo que alcancei
Sem deixar de contemplar
Um novo amanhecer
e continuar a caminhar
olhando sempre prá frente
olhos fixos no horizonte




quinta-feira, 14 de junho de 2018

Ter um Lar para voltar



Voltar prá casa é sempre muito bom
Abrir a porta e sentir o frescor que há no ar , o perfume de limpeza recente , o ladrilho frio energizando o corpo e o coração

É todo um conjunto de coisas boas e aconchegantes que sinto após ficar alguns dias fora de casa , seja por qual motivo for .

Lembranças boas dos dias passados  em visita aos netos , umedecem os olhos . Que bom se púdessemos nos ver mais vezes, nos visitar mais vezes e até ...morar mais perto .

Mas como bem disse Madre Tereza de Calcutá : “ A gente cria os filhos e os ensinamos a voar
mas não voarão o nosso voo, não sonharão os nossos sonhos e muito menos viverão a nossa vida “.

Mas , sabemos que semeamos a semente do caminho ensinado e aprendido . Assim também estão “ensinando seus filhos a voar” e mesmo que finjam não saber , um dia eles também baterão asas . E o ciclo perpetuará.

Que bom é voltar prá casa! Recanto especial que tem o meu jeito , as minhas coisas meio desorganizadas , mas no meu espaço . É tão bom encontrar tudo como deixei ou arrumado com carinho pela minha ajudante . A cama bem feita e perfumada é um convite ao aconchego que sinto debaixo de meus frescos e perfumados lençóis  .

Nada como voltar prá casa após alguns dias de vida acelerada na cidade grande . Tudo parece urgente ao mesmo tempo em que tudo é demorado e cansativo . 

Gosto é da tranquilidade do interior , onde a rua parece ser uma extensão do quintal . Nada de elevadores com senhas complicadas , nada de vida motorizada prá qualquer coisa que se faça...


Nada como ter um lar para voltar, um lugar tão nosso que podemos até decidir quem poderá dividir o espaço conosco . Um lugar onde podemos descansar , acalmar as dores do corpo e da alma . Um lugar em que podemos nos recolher no nosso silêncio , dar vazão aos pensamentos e até chorar conforme seja o que se está sentindo.

Pode existir muitos lugares , muitas famílias , muitos hotéis para te recepcionar . Mas , ter um lar para voltar é sempre muito gratificante . Aliencontro aconchego,  segurança e tranquilidade.




terça-feira, 5 de junho de 2018

erótica é a alma




Um belo texto de Fabíola Simões que casualmente caiu em minhas mãos e achei oportuno divulgá-lo aqui no blog , uma vez que tem tudo a ver com a fase que estou vivendo . 

Terceira idade ... quarta idade ... não importa .O que importa é a forma com que encaramos a maturidade .O tempo não perdoa , e as marcas inexoráveis trazidas pelo acumular dos anos são a constatação de que o tempo passou . Sim , não há como reverter o tempo , as marcas externas do envelhecimento . 

Mas é possível conservar um espírito jovial , uma alma leve que ainda faz planos , sonha e está sempre acrescentando algo em sua vida e na vida do próximo.Viver com otimismo e jovialidade , aprendendo sempre e mais que isso , ensinando já que a bagagem de conhecimentos que carrega sobrepõe à dos mais jovens.



Erótica é a alma" expressão de  Adélia Prado , em torno da qual a autora Fabíola Simões de forma inteligente produziu esse belo texto que nos autoriza a cuidar mais da alma, a enriquecer o interior , criar laços afetivos e viver a vida plenamente , com otimismo e alegria apesar do peso dos anos  
Como bem disse Fábio de Melo : coloque mais vida em seus anos e não anos à sua vida .
Nota: Este texto tem sido atribuído erroneamente à Adélia Prado. Porém, está registrado na Biblioteca Nacional como obra de Fabíola Simões e é parte integrante do livro “A Soma de todos os Afetos”, de Fabíola Simões “

****************************************


Erótica é a alma – Fabíola Simões

Adélia Prado certa vez escreveu: “Erótica é a alma”. Além de poética, a frase é redentora, pois alivia o peso da sensualidade a qualquer custo, a busca desenfreada pela juventude perdida, a corrida pelos últimos lançamentos da indústria cosmética.
E nos autoriza a cuidar mais da alma, a viajar pro interior, a descobrir o que nos completa. Pois se os olhos são as janelas da alma, de que adianta levantar pálpebras se descortinam um olhar de súplica?
Erótica é a alma que se diverte, que se perdoa, que ri de si mesma e faz as pazes com sua história. Que usa a espontaneidade para ser sensual, que se despe de preconceitos, intolerâncias, desafetos. Erótica é a alma que aceita a passagem do tempo com leveza e conserva o bom humor apesar dos vincos em torno dos olhos e o código de barras acima dos lábios; erótica é a alma que não esconde seus defeitos, que não se culpa pela passagem do tempo. Erótica é a alma que aceita suas dores, atravessa seu deserto e ama sem pudores.
Porque não adianta sex shop sem sex appeal; bisturi por fora sem plástica por dentro; lifting, botox, laser e preenchimento facial sem cuidado com aquilo que pensa, processa e fala; retoque de raiz sem reforma de pensamento; strip tease sem ousadia ou espontaneidade.
Querendo ou não, iremos todos envelhecer_faz parte da vida. As pernas irão pesar, a coluna doer, o colesterol aumentar. A imagem no espelho irá se alterar gradativamente e perderemos estatura, lábios e cabelos. A boa notícia é que a alma pode permanecer com o humor dos dez, o viço dos vinte e o erotismo dos trinta anos_ se você permitir.
O segredo não é reformar por fora. É, acima de tudo, renovar a mobília interior_ tirar o pó, dar brilho, trocar o estofado, abrir as janelas, arejar o ambiente. Porque o tempo, invariavelmente, irá corroer o exterior. E quando ocorrer, o alicerce precisa estar forte pra suportar.
Não tem problema cuidar do corpo. É primordial ter saúde e faz bem dar um agrado à auto estima. O perigo é ficar refém do espelho, obcecado pelo bisturi, viciado em reduzir, esticar, acrescentar, modelar_ até plástica íntima andam fazendo!
Aprenda: Bisturi algum vai dar conta do buraco de uma alma negligenciada anos a fio.
Vivemos a era das emergências. De repente tudo tem conserto, tudo se resolve num piscar de olhos, há varinha de condão e tarja preta pra sanar dores do corpo, alma e coração. Como canta Nando Reis, “O mundo está ao contrário e ninguém reparou…”
Desaprendemos a valorizar aquilo que é importante, o que é eterno, o que tem vocação de eternidade.
E de tanto lustrar a carapaça, vivemos a “Síndrome da Maça do Amor”: Brilhantes por fora e podres por dentro.
O tempo tornou-se escasso, acreditamos que “perdemos tempo” quando lemos um livro inteiro, quando passamos horas com nossos filhos, quando oramos ou viajamos com a família. E nos iludimos achando que poderemos “segurar o tempo” cuidando da flacidez, esticando a pele, preenchendo espaços.
Cuide do interior. Erotize a alma. Enriqueça seu tempo com uma nova receita culinária, boas conversas, um curso de canto ou dança. Leia, medite, cultive um jardim. Sinta o sol no rosto e por um instante não se preocupe com o envelhecimento cutâneo. Alongue-se, experimente o prazer que seu corpo ainda pode lhe proporcionar. Não se ressinta das novas dores, da pouca agilidade, dos novos vincos. Descubra enfim que a alegria rejuvenesce mais que o botox.
E não se esqueça: em vez de se concentrar no lustre da maçã, trate de aproveitar o sabor que ela ainda é capaz de proporcionar…
********************************************************************************************************
"Erótica é a alma" expressão de  Adélia Prado , em torno da qual a autora Fabíola Simões de forma inteligente produziu esse belo texto que nos autoriza a cuidar mais da alma , não se retendo apenas na aparência externa.
Nota: Este texto tem sido atribuído erroneamente à Adélia Prado. Porém, está registrado na Biblioteca Nacional como obra de Fabíola Simões e é parte integrante do livro “A Soma de todos os Afetos”, de Fabíola Simões “