sábado, 27 de abril de 2013

Cheiro de vida!!!




Outro dia eu sentada numa sala de espera, apanhei uma revista e li uma crônica da Danusa Leão onde ela falava sobre cheiros.
Descrevia de maneira agradável de como os cheiros podem marcar épocas de nossas vidas . Podem lembrar uma fase boa da infância, uma relaçaõ afetiva, um passeio , um encontro etc... etc..
Curioso é que naquele momento o cheiro que me impregnava as narinas não tinha nada de agradável.
Era um cheiro angustiante, pois eu me encontrava na sala de espera de um hospital e acabara de passar por mim um carrinho de medicamentos.
Que cheiro poderia sair dali a não ser o cheiro de medicamentos nada agradável às nossas narinas? Além também do cheiro da dor, cheiro do medo, cheiro da insegurança , cheiro da dúvida que possivelmente acompanhava o doente que passou na maca seguinte.
Depois de alguns minutos veio lentamente pelo corredor o carrinho do almoço. Fazia paradas de quarto em quarto deixando ali a refeição do doente.
Quer cheiro mais agradável do que o cheiro da comida fumegante no fogão da cozinha de nossa casa? Ah, mas cheiro de comida de hospital parece fugir do costumeiro cheiro de temperos caseiros utilizados em nossas casas.
Naquele momento eu tive vontade de estar em minha cozinha preparando aquele arrozinho bem temperado com alho refogado ao ponto ou temperando com muito carinho meu feijãozinho à moda da casa . Tão delicioso e tão vermelhinho!
Como se não bastasse dali a pouco a moça da limpeza começou também seu ritual no ambiente em que me encontrava.
Esfrega, esfrega … e minhas narinas começaram a arder. Pudera desinfetantes usados em hospitais em nada se parecem com os produtos perfumados que usamos em nossas casas. Precisam ter uma química forte para realmente desinfetar e agir contra as temíveis bactérias.
Lembrei-me então de como a faxineira deixa sua marca registrada na limpeza dos ambientes lá de casa.
Como é bom abrir a porta de casa e dar com aquele perfume impregnando o ar. Dá -nos uma sensação de território demarcado , carinho e proteção.
Decididamente eu estava no lugar errado. Aquele ambiente não tinha nada a ver comigo.
Fechei os olhos e me transportei para meu recanto tão conhecido , agradável e seguro.
Hospitais tem o dom de nos deprimir. Eu precisava voltar para casa...
Conceitrei-me nno desejo de que tudo iria passar e eu logo voltaria para o meu aconchego, meu lar.... onde o cheiro voltaria a ser cheiro de vida...

Quer ler a crônica de Danuza Leão? Clique no link abaixo

http://claudia.abril.com.br/materia/os-cheiros-4099/?p=/comportamento/danuza-leao

Porque a minha!!!!!!! kkkkkk... é apenas uma crônica em cima de outra crônica! Ela retrata um momento de meu cotidiano!

 Este é o último parágrafo do texto  que eu considerei o tremômetro da crônica! Mostra toda sensibilidade da autora!


"Mas existe um cheiro que só as mulheres conhecem. É o que elas sentem quando estão enxugando seus bebês depois do banho. É preciso que não haja uma só pessoa por perto num raio de 200 metros para não haver interferência de qualquer ordem. Sem nenhuma presença estranha – nem mesmo a do pai –, mãe e filho poderão dizer bobagens e rir de coisas que só eles vão entender. Depois do talco, a mãe vai botar o nariz no pescoço de sua cria e cheirar com todos os seus cinco sentidos. No princípio timidamente, mas cada vez mais forte, até quase arrebentar os pulmões de tanto amor. Na hora a gente não sabe, mas um dia vai saber: não existe nada igual a esse cheiro nem a esse momento, e nunca vai haver um melhor. Porque esse é o cheiro da vida."

Poderá gostar de:

a vida como ela é...
 

7 comentários:

  1. Linda crônica da Danusa. Gosto dela e seus escritos e, realmente esse cheirinho de nenê, não esquecemos nunca! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. E foi justamente lendo essa crônica da Danuza que comecei a associar seu texto aos "cheiros" que me rodeavam naquele momento difícil.

    Nossa casa também pode ter cheiro de vida, dependendo dos cuidados que com ela temos. E naquele momento o que eu mais queria era voltar para casa!

    ResponderExcluir
  3. Realmente um belo texto, esse do nenê a gente nunca esquece
    mas depois de 37 anos, parece que ainda sinto o cheiro
    do perfume do meu pai, nunca esqueci, parece tão real na minha vida
    Adorei ler e gostar
    Bjuss
    Rita!!!

    ResponderExcluir
  4. A Danuza fala umas coisas certeiras, não é? Gosto muito do que ela escreve. Tem mente nítida.
    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Tunim, é uma pessoa de grande semsibilidade. Tb admiro seus escritos!

      Excluir
  5. Saudade do cheiro da minha avó... cheirava a Leite de Rosas, sempre.
    Paz

    ResponderExcluir
  6. Para Rita e Paz.

    Cheiros realmente evocam lembranças!
    Que bom guardar assim doces lembranças que podem surgir a qualquer momento com o simples evocar de um cheiro!

    ResponderExcluir