sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Podando as plantas...podando as intempéries da vida

O frio intenso dos dias anteriores deixou algumas plantinhas assim.  Este exemplar de comigo-ninguém- pode  , por ser uma planta muito sensível e estar ao relento, foi uma das mais prejudicadas. Mesmo plantas que estavam ao abrigo do frio, em áreas cobertas, como samambaias e outras folhagens, também
 foram atingidas. Algumas muito sensíveis, não houve possibilidade de recuperação. Queimaram totalmente como se tivessem sido incineradas.






Outras ficaram amareladas e feias, o que provavelmente atrasará sua produtividade.



Diante disso, nada mais sensato do que fazer "uma poda" retirando as folhas  ou galhos prejudicados  para facilitar a sua recuperação.
Não sou uma expert no assunto, mas usando de meus parcos conhecimentos lancei-me a essa delicada tarefa com o objetivo de fortalecê-las na nova brotação.

 Enquanto estava ali envolvida, não pude deixar de fazer uma relação entre plantas e pessoas. De certa maneira , nós seres humanos somos semelhantes às plantas.  Precisamos ser bem cuidadas e também não podemos ficar muito tempo expostos às "intempéries da vida"

Falo aqui das "intempéries emocionais" que sem aviso prévio aos poucos vão inundando nossa alma, como um furacão varrendo nossas alegrias e sonhos ou como a geada queimando nossa esperança.
Quando nos damos conta podemos estar vivendo num mar de insegurança , frustrações e ressentimentos. Deixamos a alegria ir embora, passamos a questionar a vida e nossas relações. Muitos tornam-se tristes e amargos, ficam presos a fatos do passado. Estão tão fechados em seus problemas e frustrações que acabam por se tornar incapazes de refletir que muito dessa falta de paz  pode ser consequência de atos ou decisões tomadas sem critério. De nada adianta ficar fomentando esses sentimentos negativos.
 É hora da "poda"
Para isso é preciso olhar bem fundo dentro de nossa alma. E isso muitas vezes é difícil, recusamos a "ver " realmente o que há de errado em nosso coração, em nossas atitudes, nossa maneira de pensar.
 Ficamos ali " endurecidos", amargurando a própria frustração . Como diz um velho ditado popular, "não queremos  dar o braço a torcer".
 A poda desses sentimentos negativos dói, machuca. Mas é preciso abandonar essa velha bagagem, retirar de nossas vidas sentimentos , atos e pensamentos negativos que nos impedem de dar bons frutos.
 Assim a vida se tornará mais leve e mais agradável de se viver.


"Não temas as intempéries da Vida. Deus se utiliza dos ventos contrários para nos conduzir ao porto seguro"

Poderá gostar de :  





5 comentários:

  1. Belíssimo texto e sérias ,verdadeiras reflexões sobre as podas e o que podar nas nossas vidas! beijos,lindo fds! chica

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o paralelo que vc traçou entre o perecer das plantas e o nosso perecer emocional.

    “Feitiço do Tempo”, filme com Bill Murray, se casa muito bem com seu relato sobre emoções negativas. O título em inglês é "Groundhog Day"/Dia da Marmota, e desde o filme (1993) uma frase pegou pra expressar qdo enfrentamos uma sucessão de acontecimentos negativos em nossas vidas... a gente diz que está no dia da marmota... tem de ver o filme pra entender a mensagem.

    Realmente nós colaboramos imenso pros acontecimentos negativos em nossas vidas e que poderão perpetuar em nossa mente... poeticamente falando, nosso coração.
    Paz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da dica para o filme. Vou anotando na caixinha do "para assistir" ou "para ler".
      Marmota aq pra nos e uma pessoa vestida sem cuidados. "Parece uma marmota"a gente costuma dizer. Abcs

      Excluir
  3. Mas, vc sabe que existe um mamífero chamado marmota, não sabe?http://pt.wikipedia.org/wiki/Marmota
    Nos EUA a marmota prevê a duração do inverno e vc vai entender isso vendo o filme.
    Paz

    ResponderExcluir
  4. Sim, eu sabia que marmota era um animal, mas não de qual espécie. Vou fazer a busca, depois te conto. Abcs

    ResponderExcluir